segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Resumo “Toyota: A inspiração Japonesa e os caminhos do consentimento”



Objetivo do texto: O artigo pretende apontar a implantação do modelo toyotista no Brasil através da construção da segunda unidade de produção em Indaiatuba –SP.
Introdução:
- A empresa Toyota Motor Company está instalada no Brasil desde o final da década de 1950, em São Bernado do Campo –SP.
 - Até o final do século XX, a empresa Toyta consolidou sua posição como a primeira empresa automobilística do Japão, competindo para garantir a terceira posição no mercado internacional, se destacando por desenvolver um modelo específico de gestão denominado “toyotismo ”.
Contexto Nacional e Mundial:
- O contexto nacional analisado refere-se aos anos de 1950 em diante: O Brasil passa pela ditadura militar, urbanização e industrialização; movimentos sociais no campo e na cidade; Campanhas Diretas já e o retorno á democracia; fundação de partidos políticos, destacando-se o surgimento do Partido dos Trabalhadores-PT.
- O Brasil como base exploratória para as empresas transnacionais , aumentando a desigualdade social e o endividamento externo.
- Contexto Mundial: o capitalismo mundial já tinha passado por momentos complexos como a Guerra Fria, trinta anos dourados, o Welfare  State, maio de 68. Surgem Margaret Thatcher e Ronald Reagan, cujos governos vão canalizar a crítica ao conjunto de ideias e práticas legitimadas pelos movimentos sociais e pelas conquistas dos trabalhadores organizados.
- Início do neoliberalismo, globalização, reestruturação produtiva; o Brasil precisava incorporar novas tecnologias, aumentar a produtividade e melhorar a qualidade dos seus produtos para ficar mais competitivo no mercado internacional. Para isso, o Brasil deveria atrair as multinacionais, principalmente as do setor automobilístico, resolver a questão do desemprego, bancar a abertura comercial.

O Toyotismo na Unidade Produtiva de Indaiatuba.
- A Unidade produtiva de Indaiatuba surgiu na segunda metade da década de 1990 e desenvolveu o sistema Toyota de produção, em um contexto diferente ao contexto japonês. Indaiatuba está localizada próxima ao município de Campinas, que até o final da década de 1990 já era um polo tecnológico que atraia várias empresas como a Honda e a própria Toyota; possuía uma considerável massa de trabalhadores qualificados entrando em contraste com o crescimento do desemprego e da precarização.
- A Toyota no Brasil apresenta algumas especificidades, procurando formar um novo tipo de trabalhador e buscando criar o sentimento de pertencimento á comunidade Toyota, através do desenvolvimento de atividades de lazer nos fins de semana. A Toyota contrata moradores da própria Indaiatuba sem registros de empregos anteriores. Os executivos da nova unidade pretendem fazer com que os operários e a comunidade se encantem com a fábrica, principalmente com o uso do discurso da democracia entre os operários, através da participação do trabalhador no processo produtivo.
- A Toyota do Brasil realiza contratos com pequenas e médias empresas para que estas produzam os componentes necessários á montagem dos seus projetos, sendo que por meio destes contratos, a Toyota poderia se interferir na contratada, reformulando seus programas de produção para que operem de forma similar a Toyota.
- Com a aplicação dos métodos toyotistas, a produção aumentou quase 100%; de 20 carros passou a produzir 38 anos por dia, com uma média de 13 minutos por carro, tendo assim que implantar um segundo turno de produção.
- Os mecanismos de envolvimento do trabalhador com a fábrica no Brasil era iguais aos do Japão? Como emprego vitalício, estabilidade, bônus produtividade? É preciso saber antes que no Japão esses “benefícios” não eram para todos os trabalhadores. No Brasil, a Toyota ofereceu apenas a flexibilidade.
- O Trabalhador da Toyota do Brasil era uma espécie de colaborador; ele passa a existir em prol daqueles que o empregam, deixando de lutar por algo que é seu;  não há estabilidade e nem lealdade, muito menos salário antiguidade. A Toyota no Brasil faz uso dos costumes e tradições de nacionalidade para intensificar a exploração criando um discurso com jeito civilizatório, mas estendendo os limites da mais-valia.
 O Toyotismo sob o ponto de vista dos trabalhadores (processo de trabalho)
- Para a seleção dos trabalhadores em Indaiatuba foi contratada uma agencia de empregos que recebia os currículos e os remetia para a empresa. O processo seletivo constava da aplicação de uma prova de português, matemática, conhecimentos gerais e psicotécnicos. Atualmente, a maioria das pessoas entra por indicação ou algo do tipo. Havia também um treinamento que com o tempo passou a ser chamado de integração, no qual era apresentado o sistema Toyota.  A Toyota era apresentada como um paraíso. Como parte da integração exibia-se o filme “Tempos Modernos” para mostrar que o trabalho repetitivo provoca lesões; esse discurso aparentava certa preocupação com o bem-estar do funcionário.
- Na Toyota de Indaiatuba o trabalhador deveria aderir ao trabalho com o corpo e a mente. As ginásticas laborais que eram feitas criavam certa resistência no trabalhador, mas era uma forma da empresa reafirmar sua autoridade sobre o funcionário e tinham como justificativa a tentativa da empresa em prevenir acidentes. Os trabalhadores faziam as ginasticas apenas por obrigação, sem prazer.
- A domesticação do corpo não era a única forma da empresa “prender” o trabalhador; havia também procedimentos para adesão mental, com princípios de cooperação e competição que aparentemente indicavam certo zelo da empresa com os trabalhadores.
 - Havia um momento interessante denominado “café participativo”, no qual os trabalhadores dispendiam 20 minutos do seu tempo para tomar um café – tentativa de valorizar a cultura brasileira e o hábito de tomar café-; porém, esse tempo era descontado através do aumento da jornada de trabalho diária do operário, além de produzir certo encantamento e envolvimento dos operários para com a fábrica.
- Takt: conceito elucidativo da Toyota que revela a importância que a empresa dá a questão do tempo e controle sobre o trabalhador. O Takt é um termo alemão que significa batuta usada por um regente de orquestra; assim como a batuta do maestro oscila, o Takt do mercado muda constantemente e o local de produção deve responder adequadamente. O Takt refere-se então, ao tempo necessário determinado pela empresa para fazer o produto em cada processo enquanto o tempo de ciclo corresponde ao tempo real que cada operador leva pra concluir a operação. O objetivo do Sistema Toyota é aproximar o tempo de ciclo do tempo de Takt. A metáfora do Takt é o resultado do esforço físico e intelectual do trabalhador para realizar a produção a cada fração de tempo; o ideal é que o Takt se reduza com o tempo e se iguale a 4,5, como no Japão. Isso significa que houve uma redução de tempo na produção de carros, indicando também que houve crescimento dos gestos repetitivos. Quanto menor for o Takt, menor será a quantidade de operações que cada operador executará.
- Kaizen: é uma filosofia de vida que se refere á melhoria continua e é uma estratégia para o sucesso competitivo. O Kaizen é também um “Investimento em pessoas”, porque promete melhoramento no status quo, como resultado dos esforços contínuos; essa definição propicia uma falsa apreensão do significado real do kaizen pelo trabalhador, pois ele faz sugestões com o objetivo de melhorar seu trabalho e a empresa as examina buscando elementos que resultem na diminuição dos custos. O kaizen é um conceito que envolve todos os conceitos-chave do toyotismo na forma como são apresentados no manual. O kaizen do processo exige disciplina, senso de equipe, gerenciamento do tempo, senso de sistema, participação no processo decisório em grupo, moral, comprometimento.
- Para que o trabalhador participe do kaizen é necessário que ele seja  generalista, pois terá uma formação mais ampla da organização e conseguirá entender o inter-relacionamento das partes da empresa.
- O kaizen serve também para indicar os trabalhadores desinteressados, localizar pessoal em excesso e sobrecarregar os operadores com novas tarefas, diminuindo o tempo, intensificando o trabalho e possibilitando pressões de toda ordem. Para os operários, o kaizen é um mecanismo de expulsão contínua dos trabalhadores e de concentração de tarefas, apontando a Toyota do Brasil como descompromissada com relacionamentos pessoais. As melhorias do kaizen podem também significar dispensa de trabalhadores mesmo em mercados de demanda crescente, pois pode haver aumento no ritmo de trabalho e na quantidade exigida de produção com o mesmo número de trabalhadores após o corte.
- Para “Ohno, a gerência deve ser “invisível”, assumindo uma “administração pelo olhar”; há uma técnica denominada andon que permite o controle exato sobre o desenvolvimento da produção e sobre o coletivo de trabalhadores a qualquer momento; são sinais luminosos ou não, cores, tarjas, sensores, entre outros sinais que permitem este controle por parte da gerência ao trabalhador. Essa supervisão permite controlar o trabalho e promover junto com o kanban  a operacionalização do conceito just-in -time.

Relações de Trabalho na Toyota do Brasil:

- A Toyota do Japão fez surgir novas denominações no quadro hierárquico da companhia, já que o crescimento dos chefes sem subordinados começou a influenciar o ambiente de trabalho. São eles o expert-EX, expert-superior- SX e o expert-em-chefe – CX. Aqui no Brasil, destaca-se o expert, que seria o líder de equipe, o elo entre a hierarquia e o chão de fábrica. O EX é quem veste a camisa da empresa e tenta fomentar a mentalidade necessária ao crescimento dos ritmos nos círculos de trabalho, depois de terminada a jornada diária.  O EX raramente assume o trabalho na linha, mas puxa o ritmo e empurra o trabalho fazendo todos trabalhar na cadência  exigida.
 - Para ser um EX, a gerência identifica um operador que tenha alguma liderança e o tiram da linha; em troca da promoção, a liderança é afastada dos companheiros, ganha um salário maior e se aproxima dos encarregados e dos supervisores, além de receber cursos de liderança motivacional. Aprende a não ter vínculos explícitos de solidariedade com os funcionários. O EX participa de muitas reuniões e quase sempre fica até ás 21 horas na empresa, não tendo assim condições de estudar. O EX participa nas promoções dos outros colegas, demissões e punições – pois relata a ocorrência de problemas exercendo vigilância contínua. O EX é visto pela maioria dos colegas como um traidor, pois é capaz de “dedurar” a empresa aqueles operários que são contrários as sugestões de “melhoria”.
- As relações de trabalho vigentes na Toyota do Brasil envolvem as técnicas do sistema Toyota expostas no Manual de Integração da Empresa.  De acordo com este manual, o líder deve fazer tudo que está ao seu alcance, dentro da política da empresa, para suprir as necessidades do seu time, dentro da ordem de prioridades. Para manter o time motivado, o líder deve suprir as necessidades de acordo com esta ordem:
1. Fisiológicas
2. Segurança
3. Aceitação Social
4. Amor-próprio
5. Auto realização
Essa escala é similar á pirâmide de Maslow. O líder deve deixar bem claro o que as pessoas devem fazer, transmitindo segurança em seus atos.
- As lideranças aprendem a arte da manipulação como se fosse um procedimento científico. A empresa captura a subjetividade, manipula-a por meio de técnicas e se apropria dos resultados produzidos. Faz-se com que esse procedimento se apresente como se fosse um cuidado com as necessidades básicas do trabalhador.
- Outro ponto enfatizado é o trabalho em grupo, que irá atender ás necessidades humanas. O trabalho em equipe é uma forma do homem de satisfazer suas necessidades inerentes ao ser social que é; o homem tem necessidade de trabalhar em grupo e precisa de uma liderança para organizar e fazer funcionar essa “necessidade”.
- De acordo com a autora, o homem só funciona para atingir suas “necessidades e conveniências” e se estiver sob o comando de alguém, de preferência abrigado em uma organização.
- De acordo com a autora, para que haja o kaizen é necessário que a modificação sugerida pelos trabalhadores traga retorno econômico para a empresa.

Os trabalhadores, a empresa e a política sindical:
- Se a participação dos trabalhadores é tão importante na proposição de melhorias contínuas no local de trabalho, por que a empresa não incluiu o sindicato? O envolvimento com o sindicato permite ao trabalhador discutir o seu dia-a-dia, possibilitando desvendar as manipulações da empresa. A participação no sindicato gera também certa repressão ao trabalhador por parte da Toyota, que poderá coibir ou até ameaçar com demissão esse envolvimento. Para evitar essa situação o trabalhado se vê obrigado a mentir, a se negar.
- O Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região  - o analisado no texto - , atua na defesa dos interesses imediatos dos trabalhadores, que vão desde as condições e o ambiente de trabalho á alimentação, transporte, entre outros que são fundamentais. O sindicato tem a ideia de defender uma jornada que contemple o trabalho e a vida do trabalhador.
- O toyotismo pretende submeter o trabalhador de modo pleno, subordinando sua subjetividade ao processo de trabalho; a acumulação capitalista com todas as formas flexíveis de produção não se contenta com a exploração do trabalho físico, mas também com aspectos da subjetividade do trabalhador.
 - Na implantação da Toyota no Brasil, foi desenvolvida uma estratégia de ação na comunidade criando a imagem de “empresa dos sonhos” (Pelos depoimentos, a empresa deu carros para o hospital, PM, delegado e posto de saúde). Porém a diferenciação começava na contratação: eram contratados jovens de 20 á 22 anos em experiência e sem envolvimento sindical. Por terem saído recentemente do segundo grau possuem conhecimentos fragmentados, o que pode ser encaixado no perfil de generalista; possuem vigor e podem ser esgotados na linha de montagem além de conceberem a Toyota como a “empresa dos sonhos”.
- A empresa reprime ao máximo qualquer posição favorável ao sindicato. Entretanto, começam a surgir desencantamentos com o salário e as bonificações, incomodando os trabalhadores. Os operários começam a perceber que não são tratados de forma igual como o expresso nos discursos da fábrica, principalmente quando se leva em consideração o EX; os procedimentos da empresa em impor hora extra e provocar diferenciações, levaram o trabalhador a perder a confiança na empresa, estimulando um clima propício a greve.

Novembro de 1999: Primeira Greve na Toyota do Brasil
- Em outubro de 1999 foi realizada a primeira paralisação das atividades produtivas na Toyota do Brasil por um dia; em novembro de 1999 foi iniciada a primeira greve, na qual, 280 trabalhadores da linha de montagem pararam suas atividades, provocando um prejuízo de 280 mil reais. Entre as reivindicações propostas pelo sindicato nesta greve estavam o reajuste salarial, redução da jornada, participação nos lucros e resultados e manutenção e ampliação do vale transporte.  Embora os trabalhadores contribuíssem com suas sugestões de melhorias, nada era feito; o trabalho físico e intelectual deixavam todos esgotados. A resposta da empresa foi o de aumentar o ritmo do trabalho e as horas extras.
- Durante a greve, os trabalhadores se uniram ao sindicato para realização de festas em frente á fábrica; mecanismos de resistência foram criados pelos operários á vigilância da empresa, independente até mesmo do sindicato. Após o segundo dia de greve, a assembleia decidiu conceder uma trégua para a empresa, retornando ao trabalho. Para conseguir este retorno, os membros da hierarquia telefonaram para a casa dos operadores, de modo a pressioná-los a retornar ao trabalho. A repressão da empresa chega até a família.
- A greve não obteve o sucesso desejado, mas conseguiu a redução da jornada de trabalho em duas horas, passando para 42 horas semanais. A posição do sindicato foi fundamental para a condução da greve, mas evidenciou que os trabalhadores não assimilaram totalmente a proposta da Toyota de obediência e concordância.

 Conclusão:
-  O sindicato dos metalúrgicos de Campinas não se mobiliza apenas por questões econômicas, mas também por questões do cotidiano do trabalhador.
- De acordo com a autora, a Toyota quer o trabalho  vivo na dimensão material e intelectual, provocando certa alienação no trabalhador.


Um comentário:

Olá!
Obrigada por deixar aqui a sua opinião sobre a postagem!
Deus abençoe!

Pesquisar este blog